28 maio 2021

Streptococcus suis é um patógeno primário ou secundário?

Streptococcus suis é um importante patógeno bacteriano de suínos com distribuição mundial, tendo como resultados clínicos e patológicos de infecção mais comuns:

  • meningite,
  • artrite,
  • endocardite,
  • septicemia e
  • morte súbita.

A definição e o diagnóstico de doenças associadas a S. suis podem ser complexos.

O Streptococcus suis deve ser considerado um patógeno primário ou secundário?

A situação se complica ainda mais quando se fala em doenças respiratórias, visto que historicamente o patógeno tem sido considerado um patógeno secundário dentro do complexo das doenças respiratórias suínas (CDRS).

Streptococcus suis é um patógeno respiratório ou estritamente sistêmico?

S. suis é um habitante normal do trato respiratório superior e a presença de cepas potencialmente virulentas por si só não garante o aparecimento de sinais clínicos.

Nesse contexto pouco claro, foi proposto que a coinfecção com alguns patógenos virais e bacterianos pode influenciar significativamente a gravidade das doenças associadas ao S. suis e pode ser a chave para entender como a infecção se comporta no campo.

Complexidade da transição de infecção para doença clínica 

Como mencionado, S. suis é um habitante normal do trato respiratório superior.

A presença de cepas potencialmente virulentas por si só não garante o aparecimento de sinais clínicos, que às vezes se manifestam na ausência de tais cepas, como é o caso da América do Norte, onde cepas altamente virulentas raramente são isoladas.

 

Na verdade, altas doses de inóculo (principalmente cepas virulentas do sorotipo 2) e vias agressivas não naturais de inoculação (intraperitoneal ou intravenosa) ou, às vezes, duas vias simultâneas de infecção (intranasal e intramuscular) têm sido usadas em ensaios experimentais com suínos convencionais para reproduzir a doença clínica.

Tem sido proposto que, além da potencial virulência das cepas presentes no rebanho, diversos fatores podem influenciar no aparecimento dos sinais clínicos:

Fatores ambientais: As doenças relacionadas incluem ventilação insuficiente, alta umidade, saneamento inadequado, altos níveis de poeira e amônia e grandes variações de temperatura entre a noite e o dia.

Fatores de manejo: Com o alto nível de criação cruzada, superlotação, cortes de dente e rabo, corte de orelha, mistura dos lotes de diferentes idades, má adaptação a ração sólida no período de creche e baixos níveis de vitamina E também foram citados como fatores importantes.

Fatores hospedeiros: Uma vez que os níveis elevados de estresse e a presença/ausência de anticorpos anti- S. suis também podem influenciar na manifestação da doença clínica.

De fato, foi demonstrado que os sinais clínicos manifestam quando o nível de anticorpos maternos está baixo; os anticorpos se elevam lentamente no final do período pós-desmame e os animais tornam-se mais resistentes à infecção.

Esses anticorpos não seriam necessariamente todos específicos para as cepas virulentas de S. suis presentes no rebanho, mas provavelmente também para outros S. suis ou mesmo outros Streptococcus que estão normalmente presentes nas amígdalas.

Presença de coinfecções: Foi sugerido que as coinfecções desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença de S. suis.

S. suis deve ser considerado um patógeno respiratório ou sistêmico? 

Embora muitos estudos tenham abordado o papel do S. suis em doenças respiratórias, a via de entrada de um patógeno deve ser diferenciada da patologia induzida.

Além disso, há uma hipótese proposta de translocação intestinal (ainda a ser confirmada), de que a principal via de infecção para a doença sistêmica de S. suis é a via respiratória, e a transmissão da infecção pelo ar foi claramente demonstrada.

Nesse contexto, pode-se argumentar se S. suis deve ser considerado um verdadeiro patógeno respiratório.

Os agentes infecciosos envolvidos no complexo de doenças respiratórias suínas  são classificados como patógenos primários ou secundários (ou oportunistas).

Patógenos primários são definidos como aqueles que podem infectar o animal como o primeiro patógeno único e, então, facilitar a coinfecção ou coinfecções secundárias ou oportunistas.

S. suis é geralmente considerado um patógeno secundário/oportunista. Entretanto, o papel do S. suis na patologia respiratória, mesmo como agente oportunista, ainda não está claro.

Conclusões

Estudos recentes abordaram coinfecções de S. suis com importantes patógenos suínos, e novos mecanismos de interações patogênicas, virais e bacterianos, foram propostos.

Porém, devido à importância dada às coinfecções das doenças associadas ao S. suis, o número de estudos (principalmente abordando os mecanismos) é consideravelmente baixo.

 

Em geral, patógenos virais podem destruir a barreira epitelial e aumentar a permeabilidade da superfície mucosa, enquanto PRSS pode ter um impacto negativo nas funções dos macrófagos alveolares pulmonares e intravasculares e o PCV-2 tem um forte tropismo nos linfoblastos.

No entanto, como esses mecanismos realmente afetam a patogenicidade de S. suis ainda é discutível. Da mesma forma, o aumento da inflamação (uma marca registrada das infecções por S. suis) causado pela coinfecção com outros patógenos também pode desempenhar um papel importante.

Por outro lado, a maioria dos estudos de coinfecção mostrando regulação positiva de mediadores inflamatórios foi realizada in vitro e os dados ainda não foram validados in vivo no hospedeiro natural.

Por fim, a maioria dos dados sobre coinfecções (e mecanismos envolvidos) de S. suis com outros patógenos bacterianos não estão disponíveis.

 

Fonte: Obradovic, M.R., Segura, M., Segalés, J. et al. Review of the speculative role of co-infections in Streptococcus suis-associated diseases in pigs. Vet Res 52, 49 (2021). https://doi.org/10.1186/s13567-021-00918-w




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies