23 set 2020

Reservas chinesa de carne suína já estão perto do fim



AUTOR(ES)

Especialista em suinocultura

Cândida Azevedo

Zootecnista, MsC Zootecnia, Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens e Editora Grupo de Comunicação AgriNews

A China praticamente esgotou suas reservas de carne suína congelada, segundo novas estimativas, o que coloca em evidência a escassez da oferta no maior mercado mundial de proteínas depois de dois anos da chegada da peste suína africana ao país.

O nível das reservas é segredo de Estado na China, que lidera produção, consumo e importações mundiais de carne suína. Mas a consultoria londrina Enodo Economics estima que o volume tenha diminuído cerca de 452 mil toneladas entre setembro de 2019 e agosto deste ano.

De acordo com Diana Choyleva, economista-chefe da Enodo Economics, o país tem atualmente menos de 100 mil toneladas de carne suína em estoque, “Nesse ritmo, em dois a três meses eles vão ficar sem”, acrescentou ela.

Os números corroboram os comentários do representante agrícola americano em Pequim em recente relatório sobre o segmento no país, que destacou que “as reservas de carne suína parecem ter sido consumidas em sua maior parte no terceiro trimestre de 2020”.

O país registrou seu primeiro caso de peste suína africana em 2018. Desde então, perdeu mais de 100 milhões de suínos, o que elevou os preços internos a novos patamares históricos. O governo chinês reagiu vendendo carne congelada de suas reservas no mercado doméstico para tentar conter os preços.

Apesar de terem recuado um pouco recentemente, o preço à vista no atacado ainda está em torno a 47,61 yuans (US$ 7) por quilo, o dobro de antes da peste africana. Para os consumidores, os preços em agosto estavam 50% mais altos do que no mesmo mês de 2019, segundo dados oficiais.

As reservas de carne suína são usadas mais para estabilizar os preços do que para substituir a falta de oferta. Seu declínio significa que a capacidade de Pequim para “intervir diretamente no mercado suíno ficará mais limitada na segunda metade de 2020 e no início de 2021”, alertou o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

A escassez obrigou a China a importar volumes recordes de carne suína este ano dos principais produtores mundiais, incluindo EUA e Brasil, apesar do compromisso do presidente da China, Xi Jinping de aumentar a autossuficiência alimentar chinesa. As importações de carne suína chegaram a 430 mil toneladas em julho, mais que o dobro do que um ano antes.

“A demanda da China está em patamares recorde neste ano”, disse Justin Sherrard, estrategista global da área de proteína animal no Rabobank. “É quem manda no comércio global de carnes”. O país é maior consumidor mundial de carnes. Nos últimos cinco anos, a demanda média anual da China por carne suína girou em torno a 50 milhões de toneladas, conforme dados do USDA. 

O analista Darin Friedrichs, da StoneX, em Xangai, considera provável que o aumento das importações tenha “impacto muito maior” nos preços da carne suína do que a redução das reservas. Pequim vendeu o que tinha nas reservas mais para “mostrar que está fazendo algo”, acrescentou.

Com a alta de preços decorrente da retração da oferta, um grande número de produtores chineses voltou a criar suínos, apesar das notícias de que continuam surgindo surtos do vírus – que é mortal aos suínos, mas inofensivo para humanos.

Os preços do leitão também subiram, assim como as importações de grãos para a produção de ração, já que os criadores vêm expandindo seus rebanhos. O quadro levou a uma onda de alta nos mercados mundiais de grãos, e os contratos futuros da soja voltaram a superar a marca de US$ 10 por bushel na bolsa de Chicago, maior patamar em dois anos.

Para a China, depender mais das importações é politicamente delicado. Quando retomou as importações de carnes canadenses no fim de 2019, após um hiato de quatro meses, o dirigente do Ministério das Relações Exteriores frisou que não era um sinal de “descongelamento” nas relações.

Na semana passada, a China proibiu as importações de carne suína da Alemanha, onde foram descobertos recentemente casos de peste suína africana, para “proteger a criação de suínos e evitar a disseminação da doença”.

Fonte: Valor Econômico.




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies