16 maio 2021

Óleos essenciais como alternativas aos antibióticos na produção de suínos – Parte 3/4

O estresse oxidativo representa um importante mecanismo bioquímico que leva a danos no organismo, que por sua vez podem afetar o desempenho e a saúde em suínos, especialmente em sistemas de produção intensivo, de suínos de elevado desempenho. Os suínos são frequentemente expostos a vários agentes estressores, incluindo:

É bem conhecido que os óleos essenciais e extratos vegetais têm efeitos antioxidantes  e têm sido usados ​​com sucesso em dietas para suínos.

 

  • desmame
  • desnutrição
  • doenças
  • estresse por calor
  • contaminação da ração por micotoxinas
  • transporte e
  • superlotação

Esses estressores são conhecidos por aumentar a produção de espécies reativas de oxigênio (EROs) e, quando o sistema antioxidante é sobrecarregado pela produção de EROs, ocorre o estresse oxidativo.

O estresse oxidativo pode estar associado a uma queda no desempenho, imunidade comprometida, degeneração muscular, aumento do risco de derrame em suínos de crescimento rápido, doença cardíaca da amora, redução do apetite, diarreia, destruição do tecido hepático e aumento do risco de aborto em porcas gestantes.

Antioxidantes sintéticos, como etoxiquina, hidroxianisol butilado (BHA) e hidroxitolueno butilado (BHT) são comumente usados ​​como aditivos alimentares eficazes em dietas de suínos, a fim de aumentar a estabilidade da ração e proteger os nutrientes (por exemplo, gordura e vitaminas) da oxidação. Entretanto, esses antioxidantes sintéticos não têm efeitos biológicos in vivo e sua segurança toxicológica também é uma preocupação. Tal fato impulsionou a busca por compostos naturais que pudessem não apenas substituir antioxidantes sintéticos na alimentação de suínos, mas também fornecer benefícios zootécnicos adicionais (Yang et al., 2015).

É bem conhecido que os óleos essenciais e extratos vegetais têm efeitos antioxidantes  e têm sido usados ​​com sucesso em dietas para suínos.

Zou et al. (2016) investigaram os efeitos antioxidantes do óleo essencial de orégano em células epiteliais do intestino delgado de suíno (IPEC-J2) e demonstraram que EROs e malonaldeído (MDA) induzidos por H2O2 foram  suprimidos pelo óleo essencial de orégano induzindo Nrf2 e várias enzimas antioxidantes (superóxido dismutase e g-glutamilcisteína ligase).

Um estudo in vitro também indicou que o óleo essencial de capim-limão reduziu os danos ao DNA e o estresse oxidativo induzido pelo benzo (a) pireno em células de fibroblastos de pulmão embrionário humano.

Zeng et al. (2015) indicaram que suínos alimentados com dieta com óleo essencial apresentaram maiores níveis de albumina, imunoglobulina A (IgA), IgG, capacidade antioxidante total e menor escore fecal quando comparados com suínos alimentados com dieta controle.

Um estudo recente in vivo em suínos mostrou que a suplementação dietética com uma mistura de 100 mg / kg de carvacrol e timol (1: 1) diminuiu o estresse oxidativo intestinal associado ao desmame por meio da diminuição do mRNA de TNF-a (Wei et al., 2017).

O aumento do estresse oxidativo leva à diminuição da produção de leite, desempenho reprodutivo e longevidade das porcas. A capacidade comprometida de produzir leite pode prejudicar diretamente a saúde e o crescimento dos leitões lactentes. Também pode ter um efeito de longo prazo na saúde e no desempenho ao longo da vida dos suínos. Um aumento do estresse oxidativo sistêmico foi observado no final da gestação e início da lactação das porcas e a suplementação com óleo essencial de orégano melhorou o desempenho de seus leitões por meio da redução do estresse oxidativo (Tan et al., 2015; Tan, 2015).

Portanto, a suplementação de óleos essenciais é um método promissor para amenizar os efeitos negativos do estresse oxidativo induzido por diferentes estressores em sistemas modernos de produção de suínos de alto desempenho.

Efeito dos óleos essenciais sobre a microbiota intestinal e microbioma de suínosPor exemplo, Firmicutes e Bacteroidetes mostraram ser os filos mais dominantes em suínos.

O intestino do suíno é geralmente considerado estéril antes do nascimento, mas rapidamente se torna colonizado por microrganismos do ambiente e da dieta. Os microrganismos colonizadores subsequentemente se desenvolvem em uma microbiota altamente diversa com densidade e composição microbiana variada entre os diferentes compartimentos intestinais. A compreensão da composição e função da microbiota intestinal foi significativamente melhorada após a aplicação de metodologias moleculares e “ômicas” em combinação com bioinformática e ferramentas estatísticas. Por exemplo, Firmicutes e Bacteroidetes mostraram ser os filos mais dominantes em suínos, independentemente da idade, seguidos por Proteobacteria, Actinobacteria e Spirochaetes.

No entanto, ainda existem algumas mudanças dinâmicas na composição da microbiota intestinal com a idade. O filo Proteobacteria foi encontrado para ser mais abundante no intestino de leitões antes do desmame (Zhao et al., 2015). Em geral, a microbiota intestinal torna-se cada vez mais estável durante o crescimento animal e, consequentemente, torna-se mais resistente às alterações dietéticas (Kim e Isaacson, 2015). Isso explica porque os leitões são mais suscetíveis à infecção por patógenos em comparação a animais adultos. E, além disso, demonstra a importância da modulação da microbiota intestinal de animais jovens para se ter uma microbiota saudável desenvolvida para melhor desempenho animal.

Vários estudos in vivo indicaram que os óleos essenciais aumentaram o grupo Lactobacillus e diminuíram E. coli ou coliformes totais em leitões. Esses resultados foram consistentes com os resultados observados em diversos estudos avícolas com a suplementação de óleos essenciais (Oviedo-Rond on et al., 2006; Tiihonen et al., 2010; Amerah et al., 2011; Basmacio glu-Malayo glu et al., 2016; Cetin et al., 2016; Liu et al., 2017), sugerindo que o tratamento com óleo essencial levou a algumas mudanças fundamentais na microbiota intestinal, principalmente no número de espécies de Lactobacillus observadas. No entanto, estudar os efeitos dos óleos essenciais no microbioma intestinal de suínos com abordagens integradas (por exemplo, várias tecnologias moleculares e “ômicas”, bem como bioinformática e análises estatísticas) ainda é necessário para monitorar de forma abrangente as mudanças na composição e funcionalidade de a microbiota em resposta a tratamentos com óleos essenciais na dieta.

 

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2405654517301233

 

 




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies