Mortalidade pós-desmame na produção comercial de suínos: fatores contribuintes não infecciosos – Parte 2/2



Fatores intrínsecos

Fatores intrínsecos aos suínos são causas de mortalidade atribuídas a certas características do animal, como sexo, genética e peso ao nascer. As informações são relativamente escassas em relação às associações genéticas com a mortalidade pós-desmame.

Sexo

Pesquisas que investigam o impacto do sexo na mortalidade não mostraram nenhum efeito (van Veen et al., 1985; Brumm, 2004; Serrano et al., 2013), com exceção de Larriestra et al. (2006) que observaram que os machos castrados tinham 1,75 vezes mais chance de morrer na fase de creche em comparação com as marrãs.

Fatores contribuintes não infecciosos

 

Evidências comprovam que o sexo não está comumente associado a diferenças substanciais na mortalidade. A castração é uma prática comum realizada nos primeiros 2 a 5 dias de idade em suínos machos para reduzir o comportamento agressivo e as características indesejáveis ​​da carne.  Nenhuma evidência de diferença na mortalidade foi observada entre machos inteiros, castrados e imunocastrados desde o nascimento até o abate (Aluwe et al., 2015) ou entre machos inteiros e imunocastrados (Guay et al., 2013). Além disso, nenhuma evidência de diferença na mortalidade foi observada comparando castrados usando castração convencional sem analgesia ou anestesia em comparação com o uso de lidocaína, meloxicam, a combinação de lidocaína e meloxicam ou uma castração simulada (Kluivers- Poodt et al., 2012). Com base na literatura publicada, sexo e castração não contribuem significativamente para a mortalidade pós-desmame.

Genética

Diferenças na mortalidade foram observadas em configurações de campo entre várias linhagens genéticas comercialmente disponíveis. O uso de tecnologias genômicas para melhorar a resistência a doenças foi resumido por Mellencamp et al. (2008), e fornece uma estratégia útil para reduzir a doença clínica e mortalidade subsequente. Além das técnicas tradicionais de seleção genética, a tecnologia está atualmente em desenvolvimento, onde a suscetibilidade a vários patógenos foi reduzida ou eliminada por meio do uso de tecnologias de modificação genética. Estas tecnologias têm demonstrado sucesso na prevenção da infecção do vírus da síndrome respiratória e reprodutiva porcina (PRRSV; Whitworth et al., 2016), vírus da diarreia epidêmica suína (PEDV) e vírus da gastroenterite transmissível (TGEV; Whitworth et al., 2019 ). Embora essas tecnologias forneçam uma grande oportunidade para melhorar a saúde e o bem-estar dos suínos, elas estão atualmente passando por uma revisão regulatória nos Estados Unidos e outras etapas são necessárias antes de sua implementação na indústria. A genética claramente desempenha um papel importante na morbidade e mortalidade e é uma oportunidade para futuro desenvolvimento e implementação.

Peso ao nascimento

Foi relatado que o baixo peso ao nascer está positivamente associado à mortalidade pré e pós-desmame (Smith et al., 2007; Pardo et al., 2013; Declerck et al., 2016; Zotti et al., 2017; Skorput et al. , 2018).

Foi relatado que leitões com peso ao nascer ≤0,7 kg ao nascer têm <40% de chance de sobrevivência no berçário, em comparação com quase 90% de chance de sobrevivência se o peso ao nascer for 1,7 kg e quase 100% se 2,7 kg ao nascer (Fix et al., 2010).

Cada quilograma adicional de peso corporal ao nascer resulta em leitões que são 20 vezes menos propensos a resultar em mortalidade na fase de creche (Declerck et al., 2016). Ao avaliar a mortalidade ao longo da vida, apenas 28,4% dos leitões com peso ao nascer <0,95 kg sobreviveram do nascimento ao abate, em comparação com 87,1% dos porcos ≥0,95 kg ao nascer (Calderon Diaz et al., 2017).

Instalações

Existe uma grande variabilidade no design e na utilização das instalações. As diferenças na mortalidade pós-desmame foram descritas com base no tipo de instalação, fornecendo uma ilustração realista de que o tipo de instalação e fatores sanitários e gestão associados podem resultar em diferenças na mortalidade (Fangman et al., 2001). Vários estudos mostraram diferenças nas lesões nos pés entre os tipos de piso. Atualmente, a literatura não indica que o tipo de piso tenha um impacto substancial na mortalidade pós-desmame (Mouttotou et al., 1999; Kilbride et al., 2008; Gillman et al., 2009). Danos e manutenção inadequada das instalações, como ripas quebradas, podem obviamente aumentar a probabilidade de lesões e declínio progressivo levando ao abate ou eutanásia; no entanto, dados específicos não estão disponíveis. Poucas evidências estão disponíveis atualmente de que o tipo de piso dentro do escopo da produção comercial tem um impacto significativo na mortalidade pós-desmame.

Ambiente

A regulamentação dos fatores ambientais envolve temperatura, umidade e ventilação das instalações. A temperatura tem um impacto significativo no desempenho, com desempenho ideal ocorrendo dentro da zona termoneutra do animal. A temperatura e a umidade têm um impacto econômico significativo na produção pós-desmame (St-Pierre et al., 2003).

Ventilação adequada é necessária para controlar a umidade e a temperatura e remover gases nocivos como a amônia. Quando a ventilação não é controlada adequadamente, a morbidade e, subsequentemente, a mortalidade aumentam principalmente devido a interações com agentes infecciosos, incluindo aumento da incidência de doenças respiratórias.

Inadequação de nutrientes

As inadequações nutricionais podem incluir a regulação inadequada do estado antioxidante, muitas vezes associada a níveis inadequados de vitamina E e/ou selênio. A doença cardíaca da amoreira e a hepatose dietética têm sido historicamente associadas a deficiências de vitamina E e/ou selênio. Estudos recentes mostraram a presença do distúrbio na ausência de deficiências de vitamina E/selênio, indicando uma patogênese mais complexa.

As interações entre metais pesados ​​(Van Vleet, 1976, 1981) e outras substâncias pró-oxidantes, incluindo ferro, oxigênio, ozônio, contribuem potencialmente para a perda da capacidade antioxidante biológica.

A regulação do metabolismo do Ca e P é controlada de perto pelo Ca, P e vitamina D da dieta. O desequilíbrio desses nutrientes foi associado a fraturas, cifose, raquitismo, e convulsões agudas e morte em associação com hipovitaminose A. Além disso, a intoxicação por vitamina D foi relatada (Long, 1984; Hulsmann et al., 1991) indicando que o excesso de oferta também pode ser prejudicial.

Muitos casos de desequilíbrio alimentar que levam a mudanças fisiológicas que resultam em mortalidade não são causados ​​por pequenos erros de formulação, mas por uma supervisão significativa na formulação da dieta ou na fabricação da dieta e, em muitos casos, os problemas são mais prováveis ​​de se manifestar conforme a duração do desequilíbrio aumenta.

Manejo

O manejo corresponde a uma categoria ampla que engloba as decisões de produção que muitas vezes podem ser manipuladas. Um dos maiores fatores para os quais o manejo contribui para a mortalidade pós-desmame é através da variação dentro de um grupo de leitões. A variação no manejo pré-desmame, como ingestão de colostro, idade de desmame, área e lotação da instalação de desmame, aumenta a probabilidade de mortalidade devido a causas infecciosas. Além disso, leitões mais leves de um grupo muitas vezes perdem competitividade dentro da população por recursos limitados, o que inicia um lento processo de declínio, muitas vezes terminando em abate ou eutanásia.

Manejo pré-desmame

A ingestão suficiente de colostro foi associada à baixa mortalidade pós-desmame, com maior impacto em leitões com baixo peso ao nascer (Decaluwe et al., 2014; Ferrari et al., 2014; Declerck et al., 2016). Práticas de manejo, incluindo adoção cruzada e baixos níveis de ingestão de colostro no período pré-desmame, podem ter um impacto significativo na mortalidade pós-desmame.

Idade ao desmame e peso

Estudos mostraram que o aumento da idade ao desmame está associado à redução da mortalidade (Losinger et al., 1998; Main et al., 2004; Davis et al., 2006; Leliveld et al., 2013; Lopez-Verge, 2019), sendo que o dia adicional de idade de 12 a 21,5 dias no desmame foi associado a uma redução na mortalidade ao final do desmame de 0,47% com melhorias nos resultados econômicos (Main et al., 2005a). Nem todos os estudos mostraram impacto estatisticamente significativo da idade de desmame na mortalidade pós-desmame. Foi demonstrado que o peso corporal ao entrar no período de crescimento e terminação está inversamente relacionado à mortalidade pós-desmame.

A idade ao desmame e o peso estão correlacionados e ambos servem como indicadores relativos (não absolutos) de maturidade fisiológica. Pesquisas adicionais são necessárias para avaliar o impacto da idade ao desmame nos sistemas de baixa e alta produção. Mudanças no manejo, incluindo idade avançada de desmame e implementação de suplementação nutricional da leitegada no final da lactação, podem ser consideradas dependendo do estado de saúde do rebanho, com todo o sistema de produção em mente.

Conclusão

A mortalidade pós-desmame é de natureza extremamente complexa e afetada por inúmeras causas não infecciosas e infecciosas. Causas não infecciosas importantes  podem ser influenciadas por estratégias de intervenção incluem manejo pré-desmame, idade e peso ao desmame, controle efetivo do microambiente e redução da probabilidade de erros de formulação e fabricação da ração. Muitos efeitos interativos estão presentes entre as causas infecciosas e não infecciosas, mas uma tendência importante é o reconhecimento do impacto que as causas não infecciosas têm na incidência, gravidade e resolução da doença.

Assim, as estratégias para reduzir a mortalidade pós-desmame devem considerar o estado dinâmico e complexo que forma a teia causal. A redução da mortalidade pós-desmame pode ser alcançada por meio da identificação dos fatores contribuintes e da avaliação científica rigorosa das estratégias de redução. Compreender os fatores que influenciam a mortalidade pós-desmame e as estratégias de intervenção continua sendo uma área de oportunidade para crescimento na indústria suína.

 

Fonte: Postweaning mortality in commercial swine production. I: review of non-infectious
contributing factors.

 




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 










Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies