Larvas da mosca do soldado negro podem substituir farelo de soja em suínos em crescimento



AUTOR(ES)

Especialista em suinocultura

Cândida Azevedo

Zootecnista, MsC Zootecnia, Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens e Editora Grupo de Comunicação AgriNews

As larvas da mosca do soldado negro (Black Soldier Fly – BSF) podem substituir o farelo de soja (FS) como fonte de proteína na dieta de suínos em crescimento. Isso foi descoberto por uma equipe de pesquisa multidisciplinar da Wageningen University and Research (WUR) e da Leiden University, na Holanda.

 

 

Há uma pressão crescente contra o uso de FS como fonte de proteína dietética na alimentação animal, pois o cultivo da soja requer terras agrícolas que também podem ser usadas para o cultivo de alimentos. BSF é potencialmente uma fonte de proteína mais adequada e sustentável, uma vez que pode ser cultivada em resíduos e fluxos residuais da produção de alimentos.

Experimentos

Os pesquisadores estudaram dois grupos de formados por leitões em fase de crescimento. Um grupo foi alimentado com uma dieta com farelo de soja regular como fonte de proteína. O outro grupo foi alimentado com uma dieta com larvas BSF como fonte de proteína.

Os pesquisadores então obtiveram dados sobre a microbiota do intestino delgado e metabólitos no sangue dos animais. “Isso é chamado de abordagem FeedOmics”, diz o autor principal, Dr. Soumya Kanti Kar, “e ajuda a determinar o impacto da dieta local, ou seja, intestinal e sistêmico, nível sanguíneo, simultaneamente. O FeedOmics fornece, portanto, um resultado instantâneo e detalhado da resposta a uma dieta baseada em BSF em suínos. ” Dr. Kar é um cientista de desempenho intestinal e saúde animal da Wageningen Livestock Research.

Os resultados sugeriram que o BSF auxilia o crescimento da microbiota intestinal que são indicadores de um intestino saudável ou são reconhecidos como microrganismos benéficos que têm efeitos positivos na saúde dos suínos. Em suma, os suínos em crescimento que são alimentados com BSF parecem ser tão saudáveis ​​(ou até mais saudáveis) do que seus homólogos com uma dieta regular baseada em farelo de soja.

“Essas descobertas ajudarão os interessados na pecuária em sua busca por fontes alternativas sustentáveis de proteína. A abordagem do FeedOmics usada neste estudo pode ser usada para responder a questões científicas relacionadas à descoberta da funcionalidade dos ingredientes da ração medida pela resposta animal ”, acrescentou Kar.

“Os resultados deste projeto são promissores. O momento da publicação de nossas descobertas não poderia ser melhor, já que os Estados-Membros da União Europeia decidiram permitir a alimentação de aves e porcos com proteínas derivadas de insetos. Esta decisão da Comissão Europeia irá, sem dúvida, fornecer um impulso significativo para a indústria emergente, que deve crescer dez vezes, para mais de US $ 4,1 bilhões até 2025 ”.

 

Fonte: Wageningen University & Research.




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 










Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies