AUTOR(ES)

Alejandro Orozco Gaspar

Centro de Bacharelado Tecnológico Agrícola Nº 49

Gerardo Ordaz Ochoa

Centro Nacional de Pesquisa Disciplinar em Fisiologia e Melhoramento Animal, INIFAP, México.

Rosa E. Pérez Sánchez

Faculdade de Farmacobiologia Química, UMSNH, México.

Ruy Ortiz Rodríguez

Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, UMSNH, México.

O leite fornece ao leitão a energia necessária para o seu bom desenvolvimento, sua termorregulação, metabolismo e imunidade.

 

Na suinocultura intensiva, um dos indicadores que afetam as perdas econômicas é o baixo peso dos leitões ao desmame, visto que este indicador afeta diretamente a eficiência produtiva durante as fases de engorda; haja vista que leitões de menor peso ao desmame necessitam mais tempo para atingir o peso alvo ao abate e cada dia de aumento para atingir o peso de abate, custa ao produtor $ 1,4 dólares.

O período de lactação e sua qualidade são elementos essenciais para o desenvolvimento do leitão, principalmente para atingir um peso adequado ao desmame. Durante esta fase, os leitões dependem da disponibilidade de nutrientes fornecidos pelo leite materno. O leite fornece ao leitão a energia necessária para a sua termorregulação, metabolismo e imunidade.

Leitões em lactação dependem do leite materno, se o leite sintetizado durante os primeiros quatro dias pós-parto for deficiente (quantidade e qualidade), podem não apenas retardar o crescimento dos leitões, mas também causar mortalidade (> 50%).

Em condições comerciais de alojamento e nutrição, a porca é capaz de sintetizar a quantidade e a qualidade do leite para satisfazer as necessidades de sua leitegada. No entanto, foi estabelecido que a quantidade e a qualidade nutricional do leite estão sujeitas a diferentes fatores: inerentes ao leitão e à porca (Farmer e Quesnel, 2009).

Quanto aos fatores inerentes ao leitão, destacam-se: a intensidade da mamada, tamanho da leitegada, idade e peso dos leitões. Ao mesmo tempo, são considerados os fatores inerentes à porca, idade da porca, estado fisiológico, ambiente e genótipo (Marshall et al., 2006).

 

COMPOSIÇÃO E PRODUÇÃO DO LEITE

O leite de porcas, em geral, tem a seguinte composição físico-química:  80% de água e 20% de sólidos totais: gordura, 7%; proteína, 5% e lactose, 5%.

O conteúdo nutricional do leite é regulado por hormônios lactogênicos, principalmente a prolactina, que promove:





Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies