09 nov 2021

Estratégias para impactar a biossegurança da alimentação de suínos

A produção global de suínos adotou amplamente a biossegurança nas propriedades para minimizar os vetores de transmissão de doenças e proteger a saúde dos suínos.

Estratégias para impactar a biossegurança da alimentação de suínos

 

Os alimentos e os ingredientes não foram originalmente considerados vetores substanciais, mas incidentes recentes demonstraram sua capacidade de abrigar doenças.

Estratégias foram elaboradas para entender a disseminação de patógenos em todo o ambiente de fabricação de rações, incluindo possível transferência de lote para lote, para reduzir o risco de transmissão.

Bactérias patógenas 

Os perigos biológicos que podem ser patogênicos para a saúde dos suínos incluem bactérias, como Salmonella spp. e Escherichia coli, e vírus, tais como PEDV, VPSA, SVA, vírus da peste suína clássica, vírus da pseudo-raiva (PRV) e febre aftosa (FMD).

Dos perigos biológicos potenciais em alimentos para animais, Salmonella spp. é o mais pesquisado e compreendido.

Demonstrou-se que a transmissão de Salmonella através dos alimentos tem um impacto na saúde dos suínos, incluindo um surto de Salmonella enterica.

Atualmente, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos considera o sorotipo Choleraesuis de S. enterica como adulterante em rações para suínos, mas a adulteração por outros sorotipos é avaliada caso a caso (FDA, 2013).

Enquanto para Salmonella spp. o FDA relatou que está presente em aproximadamente 8% dos alimentos para animais, nem Salmonella Cubana nem Choleraesuis estão entre os 25 sorotipos mais prevalentes encontrados pela agência durante a vigilância de rotina.

Salmonella e E. coli pertencem a uma família de bactérias chamada Enterobacteriaceae. A vigilância ativa desta família de bactérias pode atuar como um indicador de conformidade com a biossegurança e até mesmo prever surtos futuros.

 

Presença de Enterobacteriaceae em 11 fábricas de rações nos Estados Unidos. Os níveis de Enterobacteriaceae (barras totais) variam conforme a localização, mas estão associados a Salmonella spp. (parte escura das barras). Altos níveis de Enterobacteriaceae podem indicar conformidade com a biossegurança e até mesmo prever surtos futuros.

Vírus patógenos 

A pesquisa mostrou que vírus, como PEDV, VPSA, SVA, CSFV, PRV e FMD, podem sobreviver em pelo menos alguns ingredientes alimentares comumente importados.

A modelagem realizada para simular as condições ambientais durante o transporte de ingredientes da China para os Estados Unidos mostrou que uma amostra de PEDV viável pode sobreviver em certos ingredientes, incluindo farelo de soja (convencional e orgânico), vitamina D e cloridrato, lisina e cloreto de colina.

A capacidade de sobrevivência de um patógeno varia de acordo com as propriedades genéticas e físico-químicas do vírus e difere entre os patógenos e os ingredientes alimentares testados.

Biossegurança alimentação de suínosPor exemplo, o farelo de soja convencional teve um nível mais alto de sobrevivência do vírus em comparação com a farelo de de soja orgânico.

 

A razão exata para essa diferença na capacidade de sobrevivência é desconhecida, mas pode ser atribuída aos níveis mais elevados de gordura presente na variedade orgânica usada no ensaio, pois houve evidência de que as misturas dos ácidos graxos de cadeia média (AGCM) têm efeitos viricidas.

Infectividade dos períodos biológicos

Uma vez estabelecido que os riscos biológicos podem sobreviver em alimentos e ingredientes, é importante entender sua infecciosidade em uma dose que pode causar infecção.

A infecciosidade geralmente se baseia na garantia de que as cápsides virais ou as membranas lipídicas da bactéria estão intactas, pois protegem o patógeno da deterioração durante o armazenamento.

Um número suficiente de partículas intactas é necessário para causar infecção em animais saudáveis, e isso é conhecido como a dose infecciosa mínima.

Prevenção de perigos biológicos 

O componente mais eficaz de um plano de biossegurança em uma fábrica de ração é prevenir a entrada de perigos.

Há um incentivo para evitar a entrada de um perigo em uma instalação inteiramente porque foi demonstrado que a introdução de um material contaminado em uma fábrica de ração pode levar à contaminação por um longo período.

O controle da entrada de riscos biológicos em uma instalação deve começar com a avaliação dos fornecedores de ingredientes.

Desenvolver um programa de verificação de fornecedor que inclua requisitos específicos para os ingredientes que estão sendo comprados, bem como comunicar as expectativas de segurança ao fornecedor de um ingrediente que chega, é uma etapa importante na prevenção da entrada de um risco biológico.

Isso também pode incluir a verificação dos protocolos do fornecedor de ingredientes e análises e avaliações das instalações de fabricação no local.

O movimento de pessoas ou veículos dentro ou fora de uma instalação também tem o potencial de introduzir riscos biológicos.

Os funcionários e visitantes da fábrica de rações, como hóspedes, motoristas de caminhão e subcontratados, têm a capacidade de introduzir contaminantes em uma unidade de fábrica de ração.

As pessoas podem carregar, sem saber, partículas fecais, de sujeira ou de poeira contaminadas com microrganismos indesejáveis ​​nas solas dos sapatos ou nas roupas e correm um risco particularmente maior se vierem de outra fazenda ou fábrica de alimentos onde o perigo está presente.

Os ingredientes podem ser contaminados antes da descarga, mas também podem ser contaminados durante o processo de descarga devido à lama ou detritos no chão que se misturam com os ingredientes no ponto de entrada.

Garantir que o poço de recebimento permaneça coberto durante a movimentação dos caminhões reduz o risco de contaminação durante o descarregamento, o que é importante considerando a impraticabilidade de limpar completamente os equipamentos de transporte, como o poço central ou elevadores de caçamba.

O uso de cones e dispositivos de afunilamento também pode ser usado para limitar a quantidade de material que é despejado durante a descarga e evitar que os funcionários da fábrica arrastem os ingredientes para o poço.

Recomendações para maximizar a biossegurança da alimentação de suínos 

Concluindo, a biossegurança é um tópico bem conhecido nas granjas, mas só recentemente começou a ganhar importância no processo de fabricação de rações.

Foram compiladas evidências que mostram a capacidade da ração e dos ingredientes da ração em apoiar a infectividade do vírus e a sobrevivência bacteriana, apontando para o fato de que a ração e os ingredientes podem ser um vetor para a transmissão de riscos biológicos.

Consequentemente, uma série de etapas devem ser tomadas para ajudar a maximizar a biossegurança alimentar:

  • Avalie o risco dos perigos biológicos
  • Defina protocolos para evitar que perigos entrem na planta
  • Use estratégias de mitigação para prevenir riscos
  • Descontaminação da fábrica de rações

Também pode te interessar: 

Boas práticas de biosseguridade em granjas comerciais de suínos

 

Fonte: Stewart, S., Dritz, S., Woodworth, J., Paulk, C., & Jones, C. (2020). A review of strategies to impact swine feed biosecurity. Animal Health Research Reviews, 21(1), 61-68. doi:10.1017/S146625231900015X




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies