Empresa chinesa fornece carne suína cultivada em laboratório no maior mercado de carne do mundo



AUTOR(ES)

Especialista em suinocultura

Cândida Azevedo

Zootecnista, MsC Zootecnia, Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens e Editora Grupo de Comunicação AgriNews

A startup chinesa CellX revelou uma seleção de pratos de carne suína cultivada em laboratório na sexta-feira (03) e informou  que o objetivo da empresa é produzir a carne mais ecológica a preços competitivos para o maior consumidor de carne suína do mundo até 2025.

Empresa chinesa fornece carne suína cultivada em laboratório no maior mercado de carne do mundo

Empresa chinesa fornece carne suína cultivada em laboratório no maior mercado de carne do mundo

 

Os investidores foram convidados a provar um dos protótipos produzidos em seu laboratório de Xangai a partir de células colhidas do suíno preto nativo da China.

“O sabor é suave … mas no geral não é ruim”, disse Li Peiying, um convidado que testou a carne de suína picada misturada com proteína vegetal.

A carne cultivada, ou carne produzida a partir de células musculares de animais em um laboratório, pode reduzir significativamente o impacto ambiental dos animais de criação, enfatizou seus proponentes, ao mesmo tempo que evita problemas de bem-estar e doenças.

A China em particular, que consumiu 86 milhões de toneladas de carne em 2020 ou cerca de 30% da demanda global, precisa urgentemente de um fornecimento de carne mais limpa para cumprir suas metas de carbono, diz CellX.

 

A carne produzida em laboratório também pode oferecer um suprimento de alimentos mais estáveis para um mercado que tem enfrentado enorme escassez e volatilidade após o surto da peste suína africana em 2018.

Mas os custos de produção na indústria nascente ainda são muito mais altos do que a proteína convencional, e analistas dizem que os consumidores podem hesitar em comer carne cultivada artificialmente.

 

Na China, porém, “há muitas pessoas querendo experimentar”, disse o fundador da CellX, Yang Ziliang, à Reuters.

Yang não quis comentar sobre os custos atuais de produção, mas acrescentou que a empresa, fundada no ano passado, tem como objetivo ser competitiva em termos de custos em relação à carne animal até 2025.

Um relatório recente da McKinsey estimou que a carne cultivada poderia atingir a paridade de custo com a carne convencional em 2030, à medida que a indústria aumentasse a escala e aprimorasse a P&D.

 

A carne de frango cultivada em laboratório foi vendida aos consumidores pela primeira vez em Cingapura no ano passado, mas atualmente não há regulamentações permitindo sua venda na China.

A CellX, que arrecadou US $ 4,3 milhões no início deste ano e agora busca novos financiamentos, também está de olho no mercado global.

“Nossa visão é mudar a forma como a carne é produzida. Este não é apenas um problema da China, é um problema global, então, para alcançarmos nossa visão, precisamos ser uma empresa global”, disse Yang.

Fonte: Reuters.

 




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 










Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies