Dor e estresse em relação à via de administração das vacinas

Estimativas relatam que em muitos países ao redor do mundo 70% dos rebanhos suínos são vacinados contra Mycoplasma hyopneumoniae e uma porcentagem ainda maior contra o circovírus suíno tipo 2 (PCV2). As vacinas em uso atual têm se mostrado eficazes na melhoria do desempenho animal e na redução dos sintomas clínicos, mortalidade e lesões pulmonares durante a infecção por Mycoplasma hyopneumoniae e PCV2 (Maes et al., 2008). Nos últimos anos, a eficácia da vacinação intramuscular por agulha foi comparada com a vacinação intradérmica inovadora que não requer o uso da agulha, e vários estudos confirmaram que respostas humoral sistêmico,  mediadas por células e locais devem ser bem estimuladas em ambos os tipos de vacinação.

Dor e estresse em leitões em relação à via de administração das vacinas

Dor e estresse em leitões em relação à via de administração das vacinas

Tendo em vista que os animais são seres sencientes, proteger os suínos de práticas dolorosas está ganhando interesse. A redução da dor causada por mutilações, como castração, corte da cauda e corte dos dentes, também tem recebido atenção considerável. Reduzir o sofrimento na produção intensiva é uma questão que agora também diz respeito a outras práticas, como o uso de agulhas em tratamentos de saúde. Sendo assim, estudos sobre diferentes vias de administração de vacinas e seu impacto no bem-estar animal tornaram-se necessários.

As práticas de rotina podem ativar o eixo hipotálamo-hipofisário e o sistema simpático adrenomedular. O manuseio, contenção, medo e dor são estressores emocionais e físicos ligados à vacinação, e a análise de marcadores de estresse pode quantificar a resposta ao estresse a uma determinada situação. O cortisol indica atividade do eixo hipotálamo-hipófise em resposta a diferentes estressores em suínos e tem sido amplamente utilizado como marcador de dor.

OBJETIVO

O objetivo do presente estudo foi avaliar a resposta comportamental e fisiológica dos leitões durante a administração de vacinas por diferentes vias de administração: injeção intramuscular por agulha (IM) e injeção intradérmica sem agulha (ID).

MATERIAL E MÉTODOS

Este estudo, realizado em uma unidade de parto de ciclo aberto em que comparou-se dois tratamentos experimentais: IM (injeção intramuscular por agulha) e ID (injeção intradérmica sem agulha).

Aos 14 ± 1 dias de idade, 6–8 leitões de cada leitegada de 14 porcas multíparas foram selecionados e alocados aleatoriamente para os dois grupos de estudo (3 ou 4 leitões/grupo/porca).

Foram selecionados 104 leitões (52 animais para o Grupo IM; 52 animais para o Grupo ID) com peso corporal médio de 5,30 kg (± 0,75). Com 21 ± 1 dias de idade, os leitões foram desmamados e transferidos para uma sala de desmame especializada que foi esvaziada e cuidadosamente limpa e desinfetada antes da introdução dos grupos. Os leitões dos dois grupos experimentais foram misturados e alocados aleatoriamente (13 IM e 13 ID) em 4 baias com piso ripado de plástico, ventilação artificial e ração seca disponível ad libitum.

No dia seguinte à mudança para a sala de desmame (22 dias de idade), os leitões foram vacinados de acordo com as instruções do produtor:

  • o grupo ID recebeu 0,2 ml de uma vacina contendo células de M. hyopneumoniae em um lado do pescoço e
  • 0,2 ml de vacina contendo antígeno ORF2 PCV2 expresso por baculovírus inativado no outro lado. 

Ambas as vacinas foram administradas com uma emulsão de óleo em água usando dois vacinadores sem agulha. Os leitões do grupo IM foram vacinados para os mesmos patógenos de acordo com a rotina da granja: uma vacina inativada para M. hyopneumoniae (2 ml) e uma vacina heérica geneticamente modificada contra PCV2 (2 ml), no mesmo lado do pescoço. Uma seringa multidose com agulha dupla e conector duplo de vacina foi usada para inocular ambas as vacinas com uma única injeção. As agulhas de aço utilizadas foram 21 G × 16 mm e substituídas entre as baias.

Avaliações comportamentais foram realizadas em 68 animais (34 para o Grupo ID; 34 para o Grupo IM) por meio de um vídeo e uma gravação de áudio durante a vacinação de cada leitão, a fim de se obter um registro detalhado das reações à inoculação. Cada leitão foi gentilmente mantido e contido nos braços de um operador durante os procedimentos de vacinação. Além disso, o ruído das vocalizações foi definido por meio de um medidor de nível de som digital.

A fim de obter mais parâmetros de som, as vocalizações também foram analisadas com WavePad Audio Editing Software® (NCH Software, Canberra, AU). Este programa permitiu definir a frequência de pico (amplitude medida em Hertz) e comprimento (medido em milissegundos). Com base em registros de vídeo no momento da vacinação, um avaliador atribuiu uma pontuação aos parâmetros comportamentais da seguinte forma:

(a) reação de fuga:

  • 0 = o leitão permanece imóvel e não requer esforços para contê-lo;
  • 1 = move-se no momento da vacinação, após o que permanece imóvel;
  • 2 = fica inquieto mesmo depois de cessado o manuseio;

(b) vocalizações:

  • 0 = sem vocalização ou grunhidos curtos;
  • 1 = grunhidos repetidos e com não mais do que um grito emitido;
  • 2 = pelo menos dois gritos são emitidos.

 

A concentração de cortisol plasmático foi avaliada em amostras de sangue coletadas de 36 leitões (18 para o Grupo ID e 18 para o Grupo IM).

O grupo de leitões utilizado para a coleta de sangue diferiu do grupo de animais utilizado para os testes comportamentais, a fim de evitar possíveis influências decorrentes dos procedimentos de coleta.

As amostras de sangue foram associadas aos testes de rotina do vírus reprodutivo e respiratório dos suínos da granja, portanto, nenhuma amostra adicional para cada leitão foi necessária para o estudo. Amostras de sangue foram coletadas da veia cava anterior com seringas de 2,5 ml e armazenadas em tubos sem anticoagulante. As coletas foram realizadas 1 h antes da vacinação para identificar o nível basal individual de cada leitão e repetidas 30 min e 2 h após a vacinação. As amostras de sangue com cortisol foram armazenadas a 4 ° C e transferidas em 8 horas para o laboratório, onde foram centrifugadas a 2500 × g por 10 minutos a 20 ° C. A concentração de cortisol sérico foi determinada por ensaio quimioluminescente (realizado com o analisador automático Immulite One (Siemens Healthcare Diagnostics Products Ltd, Gwynedd, UK). A sensibilidade do ensaio foi de 5,5 nmol / l.

RESULTADOS E DISCUSSÃO 

As informações comportamentais foram obtidas por meio da análise das gravações de vídeo e áudio feitas durante a administração das vacinas. A Fig. 1a fornece dados de reação de fuga: 90% do grupo ID não mostrou nenhuma reação durante a vacinação em comparação com 55% daqueles no grupo IM (P <0,001). 18% do grupo IM continuou inquieto mesmo após o manuseio ter cessado, enquanto o grupo ID não expressou esse comportamento (P <0,01). A Fig. 1b fornece dados sobre as vocalizações: 55% do grupo ID não mostrou qualquer vocalização em comparação com 25% do grupo IM (P <0,008), enquanto gritos repetidos foram registrados em 50% dos leitões no grupo IM e 13 % no grupo ID (P <0,001).

Fig. 1: (a) Reação de fuga em leitões que receberam vacinas via intramuscular (IM) e intradérmica (ID) (0 = permanece imóvel, 1 = move-se durante a vacinação após a qual permanece imóvel, 2 = continua inquieto mesmo após cessar o manuseio). (b) Vocalizações de leitões injetados por via intramuscular (IM) e intradérmica (ID) durante a vacinação (0 = Sem vocalização ou grunhidos curtos; 1 = grunhidos repetidos e emite não mais que 1 grito; 2 = Emite pelo menos dois gritos).

 

Com relação aos parâmetros de som diferentes tratamentos influenciaram significativamente a duração do pico e o ruído. As vocalizações de leitões IM tiveram comprimento de pico mais longo (IM = 588 ms vs. ID = 352 ms, P = 0,010) e alcançaram ruído de pico mais alto (IM = 99,8 dB vs. ID = 90,7 dB, P <0,001).

Os níveis de cortisol no soro mostraram um aumento tendencial duas horas após a vacinação (P = 0,08), independentemente do tipo de tratamento. A diferença entre os tratamentos não atingiu significância estatística (fig. 2).

Fig. 2: Concentrações de cortisol no sangue de leitões injetados intramuscular (IM) e intradérmico (ID) 30 e 120 minutos após a vacinação.

 

A mensuração das vocalizações tem se mostrado uma medida não invasiva confiável de angústia na resposta de suínos a diferentes agentes estressores, e também de dor, que tem foi amplamente avaliada também com base nas respostas de fuga e evitação a diferentes estímulos nocivos.

As vacinações causam desconforto devido à contenção parcial exigida e à própria inoculação, mas são raros os estudos que comparam diferentes vias de vacinação do ponto de vista do bem-estar.

Os resultados do presente estudo sugerem que a administração de vacinas via intradérmica é mais favorável ao bem-estar.Este estudo mostrou que o uso da agulha induz reação de fuga e emissão de gritos na maioria dos leitões. A expressão vocal de estados emocionais foi identificada em várias espécies (Scollo et al., 2014), e de acordo com Manteuffel et al. (2011), é um indicador potencial de redução do bem-estar em suínos. O grande número de vocalizações emitidas por leitões vacinados por via intramuscular, com pico mais longo e potente, pode sugerir estados de ansiedade e dor (Leslie et al., 2010).

Os resultados do presente estudo sugerem que a via intradérmica de vacinação é mais favorável ao bem-estar. A expressão negativa de ambos os parâmetros comportamentais considerados (tentativa de fuga e vocalização) diminuiu no Grupo ID, de fato.

Göller et al. (2016) demonstraram que leitões que receberam vacinas por via intradérmica apresentaram comportamento mais ativo e atividade de sucção mais evidente do que leitões vacinados por via intramuscular até o dia após a vacinação, sugerindo recuperação mais rápida associada a menor grau de estresse. Em relação a porcas prenhes, um estudo diferente (Temple et al., 2017) observou menos atividade exploratória no dia após a vacinação em porcas vacinadas por via intramuscular por agulha do que em porcas vacinadas por via intradérmica. Além disso, as reações de medo aumentaram significativamente nas porcas IM em comparação com as porcas ID.

A concentração de cortisol sérico tem sido amplamente utilizada como um marcador de dor ou angústia, e vários estudos (Llamas Moya et al., 2008; von Borell et al., 2009; Gottardo et al., 2016) mostraram que aumenta em resposta a estresse e eventos dolorosos. Isso mais uma vez sugere sua utilidade como um marcador para demonstrar que qualquer tipo de intervenção que requer contenção é um procedimento que inflige um certo grau de estresse em os leitões, o que é indicado pelo aumento tendencial 120 min após a vacinação.

A falta de diferenças no cortisol plasmático entre as vias de inoculação pode sugerir que, mesmo que seja um indicador objetivo de estresse e dor em resposta a procedimentos invasivos como a castração de leitões (Prunier et al., 2005), este parâmetro pode não ser sensível o suficiente reconhecer o estresse durante intervenções aparentemente menos dolorosas. O estresse devido ao manuseio, contenção e coleta de sangue pode ter interferido em uma resposta clara do cortisol estritamente ligada à vacinação. Além disso, tem sido relatada uma alta capacidade de adaptação do eixo hipotálamo-hipofisário do suíno a situações estressantes (Jaskulke e Manteuffel, 2011).

Dor e estresse em leitões em relação à via de administração das vacinas

CONCLUSÃO

A administração de vacinas é necessária para melhorar a saúde animal por meio da prevenção de doenças. Este estudo sugere que, mesmo que o manuseio e a contenção de suínos por si só possam causar desconforto, as vacinações podem aumentar essa tensão.

 

A administração intradérmica diminuiu as expressões negativas de indicadores comportamentais de bem-estar animal durante e imediatamente após a administração da vacina.

As tentativas de fuga e vocalização podem ser parâmetros interessantes na avaliação da dor do leitão, com particular atenção ao ruído e duração dos gritos. Pesquisas adicionais e biomarcadores de estresse alternativos são necessários para avaliar os efeitos das diferentes rotas de vacinação no comportamento de médio a longo prazo.

 

Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1871141319311709




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 










Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies