AUTOR(ES)

Iowa State University – College of Veterinary Medicine Veterinary Diagnostic and Porduction Animal Medicine

A disenteria suína (DS) é uma doença infecciosa grave causada pela Brachyspira hyodysenteriae. É caracterizada pela presença de diarreia muco hemorrágica e uma inflamação acentuada do intestino grosso (ceco e/ou cólon). Enquanto que a colite espiroquetal (CE), causada pela Brachyspira pilosicoli, causa colite mais branda em suínos jovens.

INCIDÊNCIA

A disenteria suína (DS) ocorre apenas em suínos, embora o agente etiológico infecte e persista em roedores. Suínos de todas as idades podem apresentar o quadro de disenteria, embora raramente seja aparente em leitões com menos de três semanas de idade.

A doença ocorre com maior frequência durante os períodos de crescimento e terminação.

 

 

A disenteria suína ocorre em todo o mundo nos principais países produtores de suínos e pode causar perdas econômicas muito significativas nas propriedades afetadas.

Os casos ocorrem ao longo do ano, mais frequentemente no final do verão e início do outono. Com o crescente interesse na produção extensiva de suínos (por exemplo, orgânico, sem antibióticos) nos Estados Unidos, tem havido um aumento na incidência de DS nesses sistemas.

A colite espiroquetal também é globalmente distribuída, causando colite não hemorrágica mais branda.

ETIOLOGIA 

 

A Brachyspira é um gênero de bactérias espiroqueta que possui filamentos axiais, é Gram-negativa, anaeróbia e as cepas mais patogênicas são fortemente β-hemolíticas. Existem algumas cepas de Brachyspira avirulentas ou fracamente β-hemolíticas que são predominantemente não patogênicas.

Outros organismos no intestino grosso, especialmente anaeróbios, podem facilitar a colonização e a formação de lesões. Brachyspira hyodysenteriae tem a capacidade de sobreviver em uma ampla gama de condições ambientais, mas é suscetível ao calor, luz ultravioleta (UV) e dessecação, bem como sabões e desinfetantes. Outras espiroquetas, especialmente B. innocens e B. pilosicoli, são encontrados no intestino grosso de muitos suínos e são facilmente confundidos com B. hyodysenteriae.

Ao considerar o diagnóstico de disenteria suína, deve-se ter em mente a descrição de uma doença diarreica não fatal e não sanguinolenta em suínos causada por Brachyspira (Serpulina) pilosicoli. Este agente parece ser comum em populações de suínos e é uma causa ocasional de colite catarral em suínos na fase de crescimento.

Praticamente toda a sintomatologia relacionada a B. hyodysenteriae também são válidas para B. pilosicoli, com exceção de que a doença causada por esta é muito mais branda.

EPIDEMIOLOGIA

PATOGÊNESE

Brachyspira hyodysenteriae desenvolve sinais clínicos de cinco a 21 dias após a colonização, o período de incubação depende da dose, mas a dose infecciosa é bem pequena.

O organismo atinge o intestino grosso, onde coloniza, prolifera, penetra na camada de muco e se associa intimamente com as células epiteliais. A invasão pode não ser essencial para a produção de lesões.

O mecanismo exato de destruição do tecido é desconhecido, mas o lipopolissacarídeo do corpo provavelmente está envolvido. Além disso, B. hyodysenteriae produz duas toxinas e uma hemolisina que podem desempenhar esse papel.

Lesões de organismos típicas podem ser vistas dentro das células epiteliais e ocasionalmente na lâmina própria. A ausência de lesões em outros locais sugere que toda a patogênese está associada a lesões cecais e colônicas. B. pilosicoli parece exercer um efeito patogênico por meio da adesão aos enterócitos e microerosão do epitélio.

Os efeitos sistêmicos são presumivelmente o resultado do desequilíbrio de fluidos e eletrólitos causado pela colite. O desequilíbrio de fluidos é o resultado da incapacidade do cólon de absorver fluidos, em grande parte devido às secreções endógenas, e explica a desidratação progressiva e as mortes que ocorrem. Ocasionalmente ocorrem mortes agudas, talvez causadas por toxinas.

SINAIS CLÍNICOS

A diarreia, geralmente com fezes cinzentas a amarelas e mucóides, costuma ser o primeiro sinal a ser notado.

Na disenteria suína, a diarreia continua e rapidamente se torna muco hemorrágica, com excesso de muco e aparente sangue fresco. Em uma pequena porcentagem dos animais, a diarreia pode ser precedida por um movimento da cauda ou aparência corcunda e abatida.

O sangue fresco e vermelho nas fezes contendo muco costuma ser abundante e a área do períneo pode estar manchada de sangue.

 

 

Os sinais que se seguem à diarreia prolongada são aqueles associados à desidratação. Isso inclui olhos fundos, fraqueza acentuada, flancos côncavos e perda de peso. Em casos avançados, o apetite é errático, mas os animais continuam a beber. A morte súbita é ocasionalmente observada.

Em lotes não tratados, a morbidade é alta e a mortalidade pode chegar a 50%.

A colite espiroquetal é geralmente considerada uma diarreia moderada e persistente com muco. Os animais afetados podem ser menos econômicos, mas os efeitos no desempenho podem não ser aparentes.

LESÕES

As lesões são limitadas ao intestino grosso, exceto por desidratação e vermelhidão inespecífica da mucosa gástrica.
O mesentério e a serosa são edematosos, e a serosa é bastante opaca.

Uma ou todas as partes do intestino grosso (ceco, cólon e reto) podem ser afetadas. As lesões observadas são:
Paredes grossas;

 

congestionadas; e

 

edematosas.

 

A mucosa é coberta, difusamente ou em manchas, por uma camada de fibrina, detritos necróticos e muco. Frequentemente, há manchas de sangue no muco ou na mucosa exposta. O cólon contém resíduos de fibrina e muco excessivo, muitas vezes misturado com sangue.

Em casos agudos, a mucosa do intestino grosso afetado fica vermelha, edemaciada e inchada. Pode haver apenas pequenas quantidades de fibrina, mas muco excessivo.

Microscopicamente, há colite e tiflite (inflamação do ceco) não purificantes moderadas, metaplasia da mucosa, edema e necrose epitelial superficial. Organismos em forma de espiral podem ser evidenciados em criptas, enterócitos e detritos por coloração com prata.

 

As lesões da colite espiroquetal são mais leves, com hiperemia leve e excesso de muco na mucosa do intestino grosso. Microscopicamente, pode haver abundantes organismos em forma de espiral colonizando o epitélio, acompanhados por inflamação leve não supurativa.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico de campo da disenteria suína geralmente pode ser feito com base nos sinais clínicos e nas lesões graves típicas. Um auxílio simples no diagnóstico é a demonstração de muitas espiroquetas em esfregaços corados feitos de esfregaços do cólon.

A Brachyspira hyodysenteriae é fracamente Gram-negativo, então os organismos são demonstrados por manchas roxas cristalinas ou azuis Victoria 4-R. Outras espiroquetas são facilmente confundidas com B. hyodysenteriae, portanto, a obtenção da confirmação laboratorial do diagnóstico é aconselhável, principalmente se o surto for inicial ou houver dúvidas quanto ao diagnóstico.

A diferenciação bioquímica de cepas patogênicas e não patogênicas pode ser difícil. As técnicas de reação em cadeia da polimerase (PCR) estão disponíveis para a detecção do organismo e para a diferenciação em nível de espécie.

 

Várias doenças diarreicas em suínos devem ser diferenciadas da disenteria. Estes incluem enterite proliferativa, infestação por vermes, úlceras gástricas, colite espiroquetal (B. pilosicoli) e  salmonelose.

 

 

As infecções graves por tricurídeos simulam disenteria muco hemorrágica, e os vermes não são altamente visíveis até três a quatro semanas após a infestação. As lesões de salmonelose geralmente não se limitam ao intestino grosso, como as lesões de disenteria suína.

Lesões de salmonelose tendem a se estender mais profundamente na mucosa como úlceras e podem ser distribuídas de maneira desigual com menos muco.

A necropsia de vários suínos e o estudo microscópico do cólon costumam ser úteis para diferenciar as duas doenças. Podem ocorrer infecções duplas. A melhor metodologia de diagnosticar a colite espiroquetal é através da necropsia de animais afetados gravemente, histopatologia, isolamento do organismo causando β-hemólise fraca e identificação definitiva por bioquímica ou PCR.

PREVENÇÃO

Prevenir a introdução de B. hyodysenteriae em propriedades é uma alta prioridade.

Os reprodutores só devem provir de centros genéticos comprovadamente isentos de disenteria suína;

Eles só devem entrar no campus após um período de quarentena de 30-60 dias;

Alguns veterinários recomendam o tratamento de animais de alto risco com tiamulina ou carbadox durante a quarentena para reduzir a chance de introdução de portadores.

ERRADICAÇÃO 

Três métodos são utilizados para eliminar a disenteria suína e têm tido bastante sucesso nos EUA, são eles:

Os leitões desmamados precocemente (± três semanas) são levados para instalações limpas, geralmente permanecem livres de B. hyodysenteriae. Enquanto isso, o lote infectado pode ser comercializado e as instalações limpas e desinfetadas. Este método permite reter um valioso estoque genético. A criação segregada com todas as técnicas de produção tem apresentado bons resultados na eliminação da disenteria suína.

Um segundo método é baseado na medicação. A redução de um lote a um número mínimo de animais é frequentemente usada, seguida de tratamento intensivo. Animais enfraquecidos devem ser eliminados, pois podem não consumir alimentos ou água medicamentosa suficientes.

O tratamento prolongado e intensivo é caro, portanto, o número de animais a serem tratados deve ser mínimo. Três agentes terapêuticos amplamente usados são carbadox, lincomicina e tiamulina. As instruções de uso devem ser seguidas cuidadosamente e cada animal deve ser tratado.

 

 

 

 

O terceiro método de vazio sanitário completo pode ser útil em fazendas com disenteria suína endêmica, onde a biossegurança e o saneamento são difíceis de aplicar. O vazio deve ser realizado o durante o tempo quente e seco. Além disso, durante o vazio todas as instalações e equipamentos devem ser cuidadosamente limpos e desinfetados.

As instalações devem ser deixadas vazias por pelo menos duas semanas, dependendo do clima e do nível de saneamento possível. Brachyspira hyodysenteriae normalmente não sobreviverá por mais de duas semanas no solo ou em instalações mantidos secos e relativamente livres de fezes durante o tempo quente e seco. O repovoamento deve ser feito com suínos livres da disenteria suína.

Qualquer esforço para erradicar a disenteria suína requer um diagnóstico inicial preciso, um compromisso dos produtores e um acordo inicial sobre um protocolo para alcançar a erradicação e supervisão veterinária contínua.


O esforço de erradicação deve ser feito durante a época mais quente do ano. Um programa de controle de roedores gerenciado profissionalmente é essencial.

A erradicação deve ser coordenada com o fluxo de suínos para que uma limpeza e desinfecção minuciosas possam ser feitas quando as instalações estiverem vazias ou a população for mínima.

Se os animais infectados forem retidos durante a infecção, um sistema de barreira deve ser estabelecido para separar as áreas limpas das potencialmente contaminadas.

 

CONTROLE 

Os produtores que procuram controlar, mas não eliminar a infecção endêmica por disenteria suína, podem usar níveis preventivos e terapêuticos de antibióticos administrados na ração e/ou água fornecida aos animais.

Esses lotes muitas vezes podem ser tratados de forma intermitente para o lucro. Carbadox, lincomicina e tiamulina parecem ser os medicamentos mais eficazes.

A resistência aos antibióticos é um problema crescente neste organismo, tornando os programas de controle (em oposição à eliminação) uma estratégia deficiente de longo prazo. A vacinação não tem se mostrado confiável e eficaz nos programas de controle ou eliminação.

O controle de B. pilosicoli deve seguir os mesmos princípios de saneamento e criação. A doença geralmente responde favoravelmente aos antimicrobianos listados para disenteria suína.

 

Fonte: Iowa State University – College of Veterinary Medicine
Veterinary Diagnostic and Porduction Animal Medicine.




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies