09 mar 2021

China vai reprimir duramente vacinas falsas contra a PSA



AUTOR(ES)

Especialista em suinocultura

Cândida Azevedo

Zootecnista, MsC Zootecnia, Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens e Editora Grupo de Comunicação AgriNews

O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China anunciou nesta segunda-feira (8) que vai reprimir ainda mais a produção e venda ilegal de vacinas contra a peste suína africana (PSA) em um sinal da extensão do problema que está prejudicando a maior indústria suinícola do mundo.

O ministério, que vem alertando contra a atividade ilegal desde 2019, informou que medidas mais duras são necessárias para “prevenir riscos ocultos causados por falsas vacinas contra a PSA” e para garantir a recuperação da produção de suínos e o desenvolvimento estável da indústria.

O rebanho de suínos da China ainda está se recuperando de um surto devastador da doença, que em sua forma original era quase sempre mortal para os suídeos e eliminou cerca de metade do rebanho chinês.

Mas especialistas da indústria acreditam que o uso de vacinas ilícitas causou uma nova forma crônica da PSA, informou a Reuters em janeiro, que causa uma condição debilitante que pode reduzir a produção de suínos, mas é mais difícil de detectar.

Nenhuma vacina contra a doença foi aprovada em qualquer lugar do mundo, mas várias cepas do vírus vivo com genes deletados que parecem proteger contra a doença estão circulando na China.

O ministério disse que a identificação e os testes devem ser fortalecidos, e pediu aos governos locais que identifiquem quaisquer amostras positivas do vírus e relatem quaisquer cepas com exclusões artificiais de genes às autoridades veterinárias o mais rápido possível.

Todas as localidades devem aumentar a punição de atividades ilegais relacionadas a vacinas falsas, com qualquer suspeita de casos criminais prontamente encaminhados ao judiciário. As empresas farmacêuticas seriam multadas no valor máximo, suas licenças de operação revogadas e os responsáveis proibidos de produzir produtos veterinários.

O ministério também planeja lançar uma campanha de educação para os agricultores sobre os riscos do uso de vacinas falsas e 30.000 yuans (US $ 4.600) serão oferecidos a qualquer pessoa que informar as autoridades sobre seu uso.

A ação mais recente ocorre em meio a preocupações crescentes sobre o ressurgimento da PSA durante os meses de inverno. Surtos oficiais foram relatados em todo o país, mais recentemente em Sichuan, Hubei e Yunnan, embora analistas digam que a prevalência é muito maior.

“O problema da PSA é bastante sério e tem estado seriamente fora de controle por um tempo”, disse Wayne Johnson, veterinário da consultoria Enable Ag-Tech Consulting em Pequim.

Embora as medidas tomadas pelo ministério devam ser aplaudidas, alguns produtores terão dificuldade em cumprir a proibição de enviar suínos infectados com o vírus para frigoríficos, acrescentou.

As autoridades provinciais devem apresentar um relatório sobre seu trabalho contra o uso de vacinas até 30 de junho e novamente até 30 de novembro, informou o ministério.

Ele também disse que o Centro Chinês para Prevenção e Controle de Doenças Animais e o Centro Chinês para Saúde Animal e Epidemiologia fortalecerão a investigação epidemiológica das “novas cepas” da peste suína africana.

Fonte: Reuters.




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies