29 set 2020

China quer se tornar quase autossuficiente em carne suína



AUTOR(ES)

Especialista em suinocultura

Cândida Azevedo

Zootecnista, MsC Zootecnia, Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens e Editora Grupo de Comunicação AgriNews

A China, maior consumidora de carne suína, estabeleceu uma meta de longo prazo para se tornar quase autossuficiente na proteína apoiada em grandes propriedades produtoras de suínos, enquanto o país busca reduzir a dependência da importação de alimentos.

A peste suína africana reduziu os plantéis de suínos da China quase pela metade, o que impulsionou as importações e elevou os preços da carne suína a nível recorde.

O governo do presidente Xi Jinping lidera uma campanha para aumentar a eficiência e a segurança do setor de alimentos, reduzir o desperdício e aumentar o peso do abastecimento doméstico.

A China tem como meta 95% de autossuficiência em carne suína, de acordo com documento do Conselho de Estado sobre o desenvolvimento do setor pecuário. O país também planeja expandir as importações de produtos de carne seguros de mais países para complementar a produção.

O aumento dos plantéis de suínos impulsionará as compras internacionais de soja e grãos para ração necessários para engordar os animais. O país já é o maior comprador de soja e deve se tornar o importador número 1 de milho.

Com milhões de pequenas unidades produtoras de suínos que criam menos de 500 animais por ano, a China agora estabeleceu uma meta de que 70% de todas as propriedades sejam de grande escala até 2025, proporção que deve aumentar para 85% até 2030.

Os estoques de suínos já estão em expansão: os plantéis aumentaram pelo sétimo mês consecutivo em agosto, sinalizando confiança crescente entre criadores. Mais de 11 mil novas unidades de grande escala se tornaram operacionais, de acordo com o Ministério da Agricultura. Empresas como Wens Foodstuffs, Muyuan Foodstuff e New Hope Liuhe traçaram programas ambiciosos.

A China também busca se tornar autossuficiente básica em aves e ovos. O país importa principalmente pés de frango, que são considerados uma iguaria. O país planeja atender cerca de 85% da demanda de carne bovina e ovina e mais de 70% do consumo de lácteos com produção local, segundo o plano.

O país vai modernizar o setor de abate com a construção de unidades mais modernas e fechar outras de menor porte. As unidades de abate serão construídas perto das fazendas para encurtar a distância de transporte dos animais e evitar a propagação de doenças.

Fonte: InfoMoney.




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies