Ícone do site Suíno Brasil – O meio de comunicação mais lido da suinocultura

Caracterização da modulação metabólica de fêmeas suínas durante o periparto e a lactação

Em porcas, a fase de lactação é um período relativamente curto do ciclo produtivo (15 a 19%), em comparação com outras espécies, como os bovinos (Farmer et al., 2007).

Durante a década de 90, o foco da suinocultura foi o aumento da produtividade das matrizes por meio da implantação de metodologias de controle de doenças suínas: desmame precoce (<21 dias).

Esse método prometia, além do controle das doenças transmitidas de mãe para progênie, melhora no crescimento dos leitões desmamados e, consequentemente, menos tempo para atingir o peso de abate.

 

Além disso, a manipulação da lactação (redução) também antecipou um aumento na intensidade reprodutiva da fêmea suína, visto que, teoricamente, poderiam ser alcançadas 2,7 partos / fêmea / ano (Harris, 2001).

Esse aspecto animou os produtores e eles investiram na reengenharia de seus sistemas para estabelecer o desmame precoce.

Estabelecido o desmame precoce, os próprios especialistas e produtores detectaram que apenas um objetivo era alcançado com a nova metodologia: o controle da doença.

Pelo contrário, o aumento do número de partos / fêmeas / ano não foi cumprido; o retorno ao cio foi imprevisível e a falha reprodutiva aumentou (Prunier e Quesnel, 2000).

Isso levou a fluxos de produção desatualizados e causou: maior taxa de rotatividade de porcas (Tiranti e Morrison, 2006).

 

Esta experiência levou a maioria dos produtores e especialistas em suínos a voltar aos esquemas convencionais de desmame (21 a 28 dias de lactação).

A evidência, durante o boom do desmame precoce, foi corroborado que o desmame aos 21 dias pós-parto foi o momento ideal para a maior expressão produtiva da porca:

Porém, poucos pesquisadores analisaram, durante esse período, as adaptações metabólicas sofridas pela porca durante o período de transição entre a gestação e o início da lactação e sua relação com a diminuição do consumo voluntário de ração (CVR) e este por sua vez, com a eficiência do pós-desmame reprodutivo.

A diminuição do CVR por porcas é o produto de adaptações evolutivas não apenas nesta espécie, mas na maioria dos mamíferos. Porém, em suínos, torna-se um problema nos modernos sistemas de produção, devido à intensa taxa reprodutiva a que a porca é submetida (≥2,4 partos / ano).

Atualmente, sabe-se que, no final da gestação, ocorre o máximo crescimento intrauterino dos fetos e da glândula mamária, que é acompanhado por um aumento substancial da glicemia (36,3% a mais); aumento que está associado à redução do CVR durante a lactação (Pére e Etienne, 2007).

Em uma revisão (Gasa e Sola, 2016) sobre alimentação de porcas hiperprolíficas na fase de lactação, verificou-se que mais de 50% das investigações sobre este tópico relatam um consumo médio de ração na lactação de menos de 5,5 kg / dia.

Quantidade que não satisfaz as necessidades nutricionais das porcas. Este consumo médio é resultado do CVR, durante a primeira semana de lactação as porcas só atingem um consumo máximo de 60% do requerido (Mosnir et al., 2010); Isto, independentemente da composição nutricional da dieta, idade e genótipo da porca e é que, durante a primeira semana após o parto, a glicose pré-prandial aumenta e diminui à medida que aumenta a produção de leite, uma vez que:

A glicose é o principal substrato para a síntese de lactose, glicerol e ácidos graxos, além de fornecer energia para a manutenção da glândula mamária e outros processos metabólicos. Em outras palavras, são necessários aproximadamente 2.000 g de glicose para produzir 11,4 kg de leite (Spincer et al., 1969).

As necessidades energéticas das porcas pós-parto requerem o aumento e a manutenção da glicose no sangue e, para atender a essa demanda, o organismo utiliza um mecanismo denominado resistência à insulina.

Ou seja, na presença de insulina circulante no sangue, não é possível reduzir ou inibir altas concentrações de glicose e é justamente isso que causa a redução do CVR em porcas pós-parto. Efeito que pode variar em magnitude, dependendo de alguns fatores como: condição corporal, idade, genótipo, tamanho da leitegada, intensidade da sucção, técnicas nutricionais e de alimentação, entre outros.

O déficit no CVR da porca começa com um balanço negativo de energia e nutrientes, forçando o organismo a mobilizar suas reservas corporais para satisfazer suas necessidades de manutenção e produção de leite.

Nas práticas modernas de produção de suínos, a resistência à insulina representa um obstáculo à expressão do potencial reprodutivo e produtivo da espécie; já que esse potencial é função do estado metabólico da porca (Mosnier et al., 2010).

A insulina é o principal sinal endócrino anabólico e desempenha um papel crítico no metabolismo de carboidratos, lipídios e proteínas. Seus níveis aumentam após a alimentação (média de 41,0 µIU / mL) para fornecer energia às células, comportamento que se mantém durante a primeira semana de lactação para posteriormente diminuir na quarta semana (31,0 µIU / mL), independentemente do percentual de proteína da dieta ou condição corporal da porca (Revell et al., 1998). A adiposidade mais alta reduz o número de receptores de insulina disponíveis; portanto, a resistência à insulina é um indicador da mobilização das reservas corporais em porcas.

Outro aspecto que se relaciona ao baixo CVR em porcas em lactação é o papel da insulina na regulação da leptina. A leptina é um mediador da regulação do balanço energético a longo prazo, da mesma forma, tem efeito na supressão do consumo alimentar e induz a perda de peso (Martínez et al., 2014). Outra característica da leptina é que, na ausência de alimentos ou balanço energético negativo (como na lactação), seus níveis no plasma e no tecido adiposo aumentam rapidamente. Em porcas, valores de leptina plasmática de 1,54 ng/mL foram relatados 7 dias após o desmame, valores que aumentam na época do estro (3,74 ng/mL) para permanecerem constantes durante os primeiros dois terços da gestação (2,5 a 3,0 ng / mL) e mostram um pico desde o dia 107 de gestação (5,91 ng / mL) até o parto (5,84 ng mL-1) (Nagaishi et al., 2014). Portanto:

A leptina é a chave metabólica que se desenvolve durante a gravidez para aumentar a disponibilidade de nutrientes para o feto.

Obviamente, a resistência à insulina é a resposta às necessidades de energia no final da gestação e durante o início da lactação. Nesse sentido, o organismo afetado pela resistência à insulina responde por meio do catabolismo para atender às necessidades energéticas e compensar o efeito do baixo CVR. Mas, de acordo com as práticas modernas de suinocultura, o estado metabólico da porca é a chave para maximizar as funções reprodutivas.

As evidências sugerem que porcas submetidas a uma fase de lactação convencional ou inferior (<21 dias) têm pouca probabilidade de recuperar a condição corporal perdida durante as primeiras duas semanas de lactação devido ao estado catabólico resultante do efeito da resistência à insulina e à demanda por energia para sustentar o aumento da produção de leite.

Aspecto que é agravado nas marrãs, pois estas, ao contrário das porcas multíparas, requerem energia não só para os processos de síntese e produção de leite, mas também para a sua manutenção e crescimento (Pére e Etienne, 2007). Assim, é neste tipo de fêmeas que se verifica um aumento das falhas reprodutivas pós-desmame: menor tamanho da leitegada, menos partos/fêmea/ano e menos leitões desmamados/fêmea/ano.

Conclusão

O estado metabólico das porcas durante a transição do periparto para a lactação afeta o consumo alimentar das porcas de uma forma geral, pois é um comportamento evolutivo e fisiológico inerente a espécie. No entanto, se a fisiologia desse fenômeno for conhecida, seu efeito pode ser mitigado. Assim, ao manipular a alimentação durante a lactação, os efeitos da resistência à insulina são atenuados pelo aumento da ingestão de ar e redução do estado catabólico em que as porcas pós-parto entram e, por sua vez, impedirá a remoção das reservas e perda de peso corporal durante a lactação, fatores que limitam a expressão do potencial reprodutivo e produtivo das espécies pós-desmame.

Fonte: Gerardo Ordaz, Aureliano Juárez, Juan José Valdez, Hector Eduardo Martínez, Liberato Portillo, Rosa Elena Pérez, Ruy Ortiz. 2019. Characterization of the metabolic modulation of sows during peripartum and lactation and their association with the lactational physiological hypophagia: a review. Tropical and Subtropical Agroecosystems. 22:547-573.
Sair da versão mobile