06 abr 2021

Alerta de novos casos de PSA preocupam a China



AUTOR(ES)

Especialista em suinocultura

Cândida Azevedo

Zootecnista, MsC Zootecnia, Doutoranda em Ciência Animal e Pastagens e Editora Grupo de Comunicação AgriNews

Um novo surto de peste suína africana (PSA) na China, ocorrido em uma das principais regiões de produção, ampliou o alerta com a doença no país – e o receio do setor de que o problema seja maior que o que os números indicam. A doença não é prejudicial aos seres humanos, mas mudou a dinâmica global da indústria de carne suína entre 2018 e 2019, quando reduziu em cerca de 40%, para 260 milhões, o rebanho de suínos no país.

China enfrenta novos surtos da PSA.

 

O novo surto PSA, notificado na última quinta-feira, teria eliminado ao menos 20% do rebanho reprodutor no norte da China, informou a agência Reuters. A notificação ocorreu na província de Henan, a terceira maior produtora de suínos do país, entre 20% e 30% das porcas reprodutoras teriam morrido por causa do vírus.

“Parece que estamos passando de novo pelo que ocorreu em 2018 e 2019”, disse à agência o executivo de uma empresa que fornece insumos a grandes criadores. Um dia depois dos casos no norte, as autoridades revelaram um foco na província de Yunnan, no sudoeste chinês. A doença foi identificada em 36 leitões – seis deles já mortos – que estavam sendo transportados ilegalmente, segundo a agência Xinhua.

No primeiro trimestre, oito surtos foram notificados no país, de acordo com as informações oficiais do Ministério da Agricultura da China. No geral, esses casos haviam ocorrido em pequenas fazendas ou em animais em trânsito na região sul. Mas, no início de março, o surgimento de uma nova cepa do vírus já preocupava as autoridades locais. Na ocasião, estimava-se que a nova variante teria causado a morte de até 8 milhões de animais.

Para enfrentar a doença, cientistas chineses já trabalham até na clonagem de animais. Pesquisadores usaram células das orelhas dos porcos para o trabalho, a partir do qual já nasceram ao menos cinco animais, segundo a Xinhua. A técnica é vista como opção para preservar e fortalecer os recursos genéticos suínos, que podem ser ameaçados pela epidemia.

Fonte: Valor econômico.

 




Entrevistas +

NOVIDADES DO SETOR

 
 







Ver outras revistas


 

Cadastro Newsletter Suino Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

SuínoMind
SuínoBrasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies